segunda-feira, 20 de abril de 2009

Necessidade de esgotamento sanitário em Lumiar já começa a ser discutida

O problema da falta de esgotamento sanitário em Lumiar e região já começa a ser discutido entre as lideranças políticas.
Leia matéria que saiu este mês no jornal friburguense A Voz da Serra:

"O secretário municipal de Agricultura, Roberto Wermelinger, recebeu a visita do subsecretário estadual de Meio Ambiente, professor Antônio da Hora e do superintendente de Intervenções Especiais da mesma secretaria, Marco Aurélio Porto, no início deste mês. No encontro, foi discutida parceria entre os governos estadual e municipal para viabilizar a implantação de saneamento básico nos distritos de Lumiar e São Pedro da Serra, já que a região faz parte da área rural do município e não conta com um sistema de captação e tratamento de águas e esgotos. Segundo o subsecretário, que já implantou o sistema de esgotamento sanitário nas cidades de Visconde de Mauá, Valença e Angra dos Reis, a aptidão para o turismo e agricultura da região foram determinantes para a parceria entre Estado e município.'A grande preocupação do governo do estado é maximizar a capacidade de geração de renda da população que, primordialmente, vive em locais onde o turismo e a agricultura são pontos de sustentação. Como São Pedro e Lumiar não estão na rota de tratamento de água e esgoto da concessionária dos serviços, cabe a nós prover essa necessidade', disse Antônio da Hora, que também é professor titular da Universidade Federal Fluminense (UFF) na cadeira de Recursos Hídricos.O secretário Roberto Wermelinger está confiante na parceria com o governo estadual: 'Nosso objetivo é de juntar forças, pois o município, sozinho, não tem condições financeiras para arcar com investimentos desse porte. A perspectiva, uma vez implantado o sistema de tratamento de água e esgoto nos distritos, é de melhorar a condição da produção rural e turística', avaliou Wermelinger.Os recursos para obras, a princípio, seriam captados junto ao Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam), parte integrante da própria Secretaria estadual de Meio Ambiente e junto à Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão do governo federal responsável pela engenharia de saúde pública no país."
Fonte: Jornal A Voz da Serra Online, edição de 07 de abril de 2009.

Já é um começo, né...

Um comentário:

  1. ALIRIS DE ASSIS LOBATO27 de abril de 2009 14:11

    Isto é algo que tem de ser feito o mais rápido possível, já que existem várias casas e estabelecimentos comerciais que depositam esgoto em natura diretamente nos rios da região. Uma solução mais urgente e prática seria a obrigação e fiscalização do uso de sumidouros nos locais.

    ResponderExcluir